São Lucas Saúde Open de Raquetinha 2016

Os primos Flavinha Campos Borges e Marcelo Campos, de Campinas, sagraram-se campeões do 5º São Lucas Saúde Open de Raquetinha, disputado durante a semana passada, nas quadras do condomínio Terras do Imperador, em Americana, Entre quarta-feira (26) e domingo (30), 114 duplas de diversas cidades da região se envolveram na disputa de nove categorias.

Flavinha, que também conquistou o título na Mista A, quebrou tabu e entrou para a história dos torneios de raquetinha em Americana ao ser a primeira mulher campeã na elite jogando contra dupla masculina. Na final da categoria A, Flavinha e Marcelo venceram os americanenses Caio Carrion e Rogério Armond pela implacável parcial de 8/1.

Na categoria B, os campeões foram Johan Wachtmeister, de Campinas, e Willian Giatti, de Americana, com vitória por 8 a 1 sobre Guilherme Arcaro e Sérgio de Lião (Pivete), de Americana. As finais das demais categorias reuniram duplas americanenses.

Na C, vitória de Ademir Bizoto e Giuliano Gabriel sobre Gino Françozo e Guilherme Pegorari por 8 a 1. Na D, Robson Ferro e Flávio Monteiro bateram Fabrício Bataglia e Alex Lima por 8 a 6.

Na Feminina, Cintia Falcade e Luiz Belluci fizeram 6 a 2 sobre Fabiane Bellan e Ana Laura Belluci. Na Mista A, Flavinha Borges e Pedro Henrique Secco Camargo ganharam de Beatriz Castro e Rogério Armond por 8 a 1. Na Mista B o título foi para o casal Marcela e Willian Giatti, que derrotou Ademir Bizoto e Bruna Estevan por 8 a 2 no triebreak.

Na Iniciantes A, os campeões foram Rogério Redigolo e Fernando Bilibio, que, de virada, ganharam de Luciano Vassoler e Vinicius Barichelloi por 8 a 5. E na Iniciantes B, vitória de Felipe Manzini e João Guilherme Araújo sobre Pedro Riccetto e Giovanni Mantovani por 8 a 5.

Uma das juvenis mais promissoras do tênis brasileiro – chegou a ficar entre as 40 melhores no ranking da Federação Internacional de Tênis (ITF) e o posto 883 da WTA, em 2007, com apenas 16 anos -, Flávia Campos Borges, a Flavinha, foi atração à parte no 5º São Lucas Saúde Open de Raquetinha, não apenas pela beleza e simpatia, mas pelojogo consistente em quadra.

Além do título da Mista A, em parceria com Pedro Henrique Secco Camargo, Flavinha também foi campeã da categoria A, que reúne a elite da modalidade. Ela jogou com seu primeiro Marcelo Campos e a vitória por 8 a 1 sobre Caio Carrion e Rogério Armond a colocou como a primeira mulher a vencer a principal categoria de um torneio em Americana.

“Estou muito feliz por ganhar a categoria A. Sinceramente foi uma surpresa, não esperava. Nunca fiz uma final contra dupla masculina, foi uma experiência nova. É um jogo diferente, de força. A gente acaba dando um jeito”, comentou a jogadora de 25 anos, que viajou o mundo para disputar torneios importantes do tênis.

Flavinha Borges fez elogios à organização do torneio no Terras do Imperador. “Foi tudo ótimo e não sou apenas eu que estou dizendo. Escutei muita gente falando a mesma coisa. Foi a primeira vez que joguei e espero voltar numa próxima edição. Mesmo sendo num condomínio fechado, atrai muita gente, muitas famílias, e a gente faz novas amizades”, concluiu a campeã.

A avaliação da comissão organizadora do 5º São Lucas Saúde Open de Raquetinha foi positiva sobre o torneio disputado na semana passada. “Tivemos recorde de duplas inscritas. Conseguimos formar nove categorias, sendo que a Feminina foi a novidade deste ano. Foram boas disputas em todas as categorias, e na principal houve a participação de jogadores de alto nível, entre eles, a Flavinha Borges que ganhou dois títulos, inclusive na categoria A. Isso foi muito bacana”, disse Joel Olla Junior.

Na visão de Olla, o torneio, que até bem pouco tempo tinha o perfil mais “caseiro”, reunindo basicamente duplas formadas por moradores do condomínio Terras do Imperador e alguns convidados, começa a ganhar um novo formato. “Já está, efetivamente, tomando corpo de torneio grande”, frisou um dos responsáveis pela organização.

Olla também citou que o SLS Open teve sistema de gestão informatizado, o que possibilitou gerar ranking para os jogadores participantes. “Estamos trabalhando no sentido da criação de uma liga para profissionalizar a modalidade e esse ranking será utilizado pelas academias e clubes que fazem parte do circuito de raquetinha”, ressaltou.

Joel Olla reconheceu que houve problema nos horários dos jogos e citou que “em razão do grande número de inscritos e também das chuvas em dois dias, aconteceu o atraso e tivemos que estender o horário para poder finalizar as horários.”

Para evitar que a situação se repita no próximo ano, Olla disse que a comissão organizadora já fez uma reunião preliminar e pretende fazer algumas mudanças. “Estamos projetando realizar o torneio nos dois últimos finais de semana de outubro, dividindo as categorias”, explicou.

Além de Joel Olla, a comissão organizadora contou com Rodney Sillmann, Luiz Henrique Camargo, Luciano Vassoler e Leonardo Leal.

Texto: Zaramelo Jr.

Fotos: Wado Pellizoni

Fonte: http://jornalojogo.com.br/flavinha-e-marcelo-sao-campeoes-do-sao-lucas-open/